Há 30 anos, reprise do Vale a Pena Ver de Novo quase batia novela das 18h


Dizem por aí que os índices de Celebridade, atual cartaz do Vale a Pena Ver de Novo, andam cambaleando. É bem verdade que nos últimos tempos nem tudo o que pintou na tradicional faixa de reprises fez sucesso. Uma realidade bem diferente da que a Globo vivia na década de 1980, quando era líder absoluta (e quase inatingível) de audiência. Há 30 anos, a emissora curtia o êxito do repeteco de Amor com Amor se Paga (1984), de Ivani Ribeiro.



De 22 a 26 de fevereiro de 1988, a novela registrou impressionantes 37 pontos de média na Grande São Paulo, ocupando a 8ª posição entre os programas mais vistos do canal, praticamente colada em Bambolê, então em exibição às 18h, com 39. 'Amor' entrou para a lista dos dez mais vistos na semana anterior, 15 a 19 de fevereiro, quando empatou com as duas atrações mais bem-sucedidas do domingo, Os Trapalhões e Fantástico.

Amor com Amor se Paga manteve-se no ranking até seu último capítulo, exibido em 1° de abril. Entre 7 e 11 de março, chegou a empatar com Bambolê, ocupando a 8ª posição entre os dez programas mais assistidos da Globo (ambas com 39). Em sua última semana, de 28 de março a 1° de abril, também registrou 39 pontos, apenas um abaixo da estreante Fera Radical, de Walther Negrão, ocupante da vaga de Bambolê no horário das 18h.



O folhetim de Ivani Ribeiro abordava as manias do avarento Nonô Corrêa (Ary Fontoura), que passava cadeado na geladeira e cronometrava o tempo de banho dos filhos Elisa (Bia Nunnes) e Tomás (Edson Celulari). Este é apaixonado por Mariana (Cláudia Ohana), entregue em matrimônio a Nonô em troca do perdão de uma dívida de seu pai, Vinícius (Adriano Reys). O sovina amolece ao conhecer o órfão Zezinho (Oberdan Jr). E por conta do amor platônico da empregada Frosina (Berta Loran).


Deixe sua opinião


Leia também