Disco, óculos com canudo, gibi e álbum de figurinhas: os produtos de Chaves que marcaram uma geração


Chaves e Chapolin, programas de Chespirito, como Roberto Gómez Bolaños era conhecido, começaram de forma tímida no Brasil, em agosto de 1984, mas aos poucos foram conquistando o público, tanto que estão no ar até hoje - agora, além do SBT, também serão exibidos pelo canal Multishow, do Grupo Globo.



No início dos anos 1990, junto ao boom provocado pelo telejornal Aqui Agora e pela novela mexicana Carrossel, o SBT, no auge, colocou Chaves e Chapolin em pleno horário nobre. E eles não fizeram feio, chegando a alcançar médias de 20 pontos de audiência.

Em 7 de fevereiro daquele ano, o Jornal do Brasil destacou que Chaves era uma mina de ouro. A Polygram e o SBT lançaram o disco com canções baseadas no programa. O produto foi um grande sucesso de vendas. "A estrela do LP é Marcelo Gastaldi, que há cinco anos aluga sua voz para o endiabrado Chaves", disse a reportagem de Rogério Durst.



"O disco é o similar nacional de um lançamento mexicano com músicas relacionadas ao programa do Chaves. A diferença é que seis das canções foram vertidas de composições do mexicano Roberto Gómez Bolaños e outras quatro foram compostas aqui no Brasil. Mário Lúcio de Freitas, da empresa independente Marsh Mallow, que produziu o disco para a Polygram, explica: 'Todas as canções originais se referiam ao Chaves e achamos que o público brasileiro gostaria de canções sobre os outros personagens'. Assim, Kiko, Chiquinha e Madruga ganharam suas músicas, todas com letra de Marcelo Gastaldi, convidado por ser um especialista no programa e seus personagens", explicou o texto.

O JB também assinalou os demais produtos lançados no Brasil com a grife Chaves: "Mesmo em tempos de crise, o mercado infantil brasileiro é uma festa. E o garoto Chaves está se revelando um produto e tanto. Não admira que Roberto Bolaños exija ter seu nome em tudo o que envolva seu personagem, o que inclui as quatro canções brasileiras do disco. Além de música, Chaves também vai virar história em quadrinhos, brinquedos, álbum de figurinhas e desenhos. Mas o gigantismo do despretensioso Chaves periga ir muito além".



Entre os produtos lançados com sucesso no início dos anos 1990 também estão os gibis de Chaves e Chapolin, pela Editora Globo, o álbum de figurinhas e os óculos do Chaves, que serviam como canudinho para refrigerantes e sucos.



Até Gugu Liberato embarcou na onda de sucesso de Chespirito no Brasil. Além de ir ao México e exibir no Viva a Noite, do SBT, uma entrevista com Bolaños e outros integrantes do programa, em 1989, numa época que tais viagens não eram tão comuns, o apresentador, através de sua produtora, adquiriu os direitos de lançamento no Brasil do filme Charrito, um Herói Mexicano, de 1984. Gugu realizou promoções e divulgações envolvendo o filme em seu programa semanal.

Apesar de mexicanos, podemos dizer que Chaves e Chapolin são naturalizados brasileiros. E esse casamento ainda vai durar muito tempo - agora com os "votos" renovados.


Deixe sua opinião


Leia também