Hoje em Tempo de Amar: Miriam Freeland volta à Globo como Gilka Machado




Foram 14 anos de ausência. Após uma extensa passagem pela Record, Miriam Freeland volta à Globo nesta quarta-feira (14). A atriz, que estreou na TV figurando em A Viagem (1994) - e conquistou bons papeis em O Cravo e a Rosa (2000) e Esperança (2002) - participa do capítulo de hoje de Tempo de Amar, novela das 18h escrita por Alcides Nogueira, justamente um dos autores de Um Só Coração (2004), último trabalho da atriz na casa. A personagem: Gilka Machado, poetisa - uma das primeiras a escrever poemas eróticos -, também fundadora do Partido Republicano Feminino, que defendia o direito das mulheres ao voto.

Nas cenas em questão, Olímpia (Sabrina Petraglia) está radiante com a chegada do recital da poetisa Gilka Machado no Grêmio Cultural Brazileiro. Ela se empenhou para conseguir concretizar essa programação e recebeu a ajuda das demais participantes do espaço, como Celina (Barbara França), Carolina (Mayana Moura), Nicota (Olívia Araújo) e outras que estão na plateia também. Várias mulheres reunidas para ouvir a escritora que foi pioneira da poesia erótica no Brasil. Orgulhosa, Olímpia apresenta a noite: "Minhas amigas, sejam todas muito bem-vindas ao nosso Grêmio Cultural Brazileiro nesse encontro do Grupo de Mulheres. A programação de hoje é muito especial. Teremos a apresentação da poetisa Gilka Machado".

Balbina (Walkiria Ribeiro) e Celina aproveitam a reunião de mulheres para venderem as Geleias Supimpas. "Logo após o recital, teremos uma conversa informal com a nossa convidada. Ali no pátio está sendo vendida a Geleia Supimpa, produzida por uma mulher de fibra que está presente aqui, Balbina dos Anjos!", Olímpia anuncia e segue o discurso para chamar a convidada especial. "E nada melhor para inspirar-nos que termos entre nós uma mulher que nos enche de orgulho. Não foi fácil para Gilka Machado publicar seus poemas. Muitos foram e são considerados imorais".

Celina, cada vez mais ativa no Grêmio Cultural, complementa a fala de Olímpia: "Gilka Machado não é somente uma grande poetisa. É também uma ativista política, que luta pela igualdade social e pelo direito de voto das mulheres. Gilka inaugurou, na literatura brasileira, uma tradição que converteu a mulher de musa a sujeito do discurso". Gilka agradece a apresentação e se diz honrada em estar participando daquele evento. Ela caminha entre as participantes declamando suas poesias e todas olham admiradas para a artista.


Deixe sua opinião


Leia também