Até que ponto o humor é realmente necessário nas novelas?


Na primeira fase de O Outro Lado do Paraíso, atual novela das 21h de Walcyr Carrasco, muito se falou do ar sombrio e pesado da história. Haviam reclamações de que tinha maldade demais - em função da ambição de Sophia (Marieta Severo), o sofrimento de Clara (Bianca Bin) e o racismo de Nádia (Eliane Giardini) contra Raquel (Érika Januza) - e pouco humor. Com a passagem de tempo, o enredo abriu mais espaço para um ar menos soturno, o que motiva uma importante questão: até que ponto é realmente necessário que as novelas tenham humor e leveza?



O humor é um dos gêneros mais difíceis de se produzir em dramaturgia - não apenas em novelas, como também em séries e filmes. E há muitas variações. Muitos produtos optam por uma linha mais popularesca e despretensiosa, unicamente para divertir. Outros exploram a vertente da sagacidade e a reflexão através do humor, exercitando mais o senso crítico, embora nem sempre compreendido.

Dito isso, a comicidade nem sempre exige núcleos com esta função específica, mas pode se fazer presente pela personalidade dos personagens. Protagonistas e antagonistas podem ter perfis que, a depender do desenvolvimento (e do talento de seus intérpretes), tenham tendências cômicas. Como bons exemplos, Nazaré Tedesco (Renata Sorrah em Senhora do Destino) e Flora (Patrícia Pillar em A Favorita). As duas grandes vilãs, a despeito da crueldade e frieza de seus atos, também divertiam o público com seu sarcasmo e deboche, um quadro que ajudava a atenuar o peso de seus comportamentos pérfidos.

Mais recentemente, tivemos em A Força do Querer o caso de Sabiá (Jonathan Azevedo). O comparsa de Rubinho (Emílio Dantas) seria apenas uma participação pequena, mas seu perfil e linguajar agradou tanto que ficou até o fim da novela. O carisma do personagem, mesmo sendo um perigoso criminoso, conquistou o público graças à boa condução do perfil e ao talento de Jonathan.

Ainda assim, deve-se frisar: a elogiada novela das 21h estava longe de ser uma novela leve. Perseguições policiais, tráfico de drogas, crime organizado, tudo isso foi retratado pela autora - inclusive sob a famosa acusação de "glamourização do crime" através de Bibi (Juliana Paes). E é natural que as faixas mais tardias apresentem tramas mais pesadas, como também foi o caso de Os Dias Eram Assim, a novela das 23h, que retratou o período do regime militar brasileiro.

Pode-se, assim, concluir que o que se acusa como falta de humor e leveza na verdade se traduz como maniqueísmo e falta de sutileza. E esta é uma característica muito presente tanto em O Outro Lado do Paraíso como também na trama das 23h deste ano. Além disso, alguns temas importantes que mereciam uma abordagem mais naturalista sofrem com este problema, como é o caso do racismo de Nádia contra Raquel. A cena em que a ex-patroa da nova juíza desmaia ao vê-la chegar beirou o pastelão. Não precisava disso.

Outro núcleo que também ganhou espaço na nova fase é o do salão de Nick (Fábio Lago), destinado a ser o contraponto humorístico da novela de Walcyr. Até agora, não teve muito espaço e, no pouco que apresentou, também não disse a que veio. O tom caricato do cabeleireiro dificulta a situação, tornando o resultado "over", quando deveria divertir de uma forma mais espontânea.

Como exemplo recente, uma trama que também sofreu desse mal foi A Regra do Jogo (2015-16), de João Emanuel Carneiro. O pesado enredo central, capitaneado pelo ativista de fachada Romero Rômulo (Alexandre Nero) e seu envolvimento com a facção criminosa, foi norteado por três núcleos cômicos, dois deles ambientados na favela da trama (o Morro da Macaca). E o pior: nenhum deles deu certo. Parecendo esquetes, as situações se repetiam, não tinham a menor graça e ocupavam um excessivo tempo dentro do capítulo, quebrando bastante o ritmo do núcleo principal.

Em compensação, Rock Story (2015-16), exibida recentemente no horário das sete, não tinha um núcleo de humor propriamente dito, mas a função de divertir o público foi brilhantemente exercida por Neia (Ana Beatriz Nogueira), a interesseira mãe do cantor teen Léo Régis (Rafael Vitti), que divertiu com o ciúme excessivo da personagem em relação ao filho.



Em função disso, a reclamação de que "as novelas precisam de mais humor e leveza" nem sempre procede. Não é imprescindível que as tramas tenham obrigatoriamente núcleos de humor. Afinal, há autores que não se dão bem com a comicidade e por isso preferem estilos mais dramáticos e/ou pesados para as histórias que pretendem contar - o que também é importante para a teledramaturgia. Muitas vezes é melhor que uma novela tenha uma história bem desenvolvida sem ter núcleo de humor do que outra que tenha personagens cômicos que não funcionam como deveriam.


Deixe sua opinião


Leia também