Antes da Record e do SBT, Ratinho já fazia sucesso na CNT/Gazeta



Em 1996, o Aqui Agora, famoso programa policial do SBT, vivia uma fase de baixa audiência e assistia o seu concorrente, Cidade Alerta, apresentado por Ney Gonçalves Dias na Record, conquistar bons índices no Ibope e deixar o famoso telejornal, considerado "uma arma do povo", para trás.



Entretanto, neste mesmo ano, entrava no ar, em rede nacional, um programa e um apresentador que já eram bem conhecidos em Curitiba, Paraná. Estou falando de Carlos Massa, o Ratinho, e o seu 190 Urgente.

Ratinho era um repórter querido pelo jornalista e apresentador do Cadeia, da TV CNT, Luiz Carlos Alborghetti, também seu mentor e grande incentivador de sua carreira. Ele ganhou fama como apresentador logo após a saída de Alborghetti da emissora, em meados dos anos 90, adotando o estilo do seu antigo mestre e trilhando seu próprio caminho na televisão.

Antes de comandar o policialesco, Ratinho foi repórter, locutor de rádio, vereador e deputado federal pelo Paraná.

Nessa época, a CNT tinha uma parceria com a TV Gazeta de São Paulo, formando a rede CNT/Gazeta. Mesmo com a união, o programa Cadeia era exibido apenas para o Paraná e não para toda a rede, mas o sucesso era visível e Ratinho logo teria a chance de mostrar o seu estilo irreverente e escrachado para todo o Brasil: em junho de 1996 entrava no ar o 190 Urgente.

Esse programa era bem diferente dos outros policialescos que o resto do país assistia naquela época: Ratinho, com seu cassetete, batia na mesa, jogava o sapato em seus câmeras, quebrava aparelhos, trazia uma lista de bordões como "aqui tem café no bule", "a cobra vai fumá", "coisa de loco", entre outras frases que até hoje são utilizadas em seu programa no SBT.

Naquela época, sem a popularização da internet, a interação do público com o apresentador era feita através do fax, por isso, muitos opinavam e até ofendiam o apresentador, que respondia à altura e sem papas na língua. Outro fato inusitado era a exibição de cadáveres sem qualquer tipo de censura, em horário nobre.

O público começou a gostar do Ratinho e da forma que ele conduzia o programa, fazendo com que a audiência do 190 Urgente começasse a incomodar outras emissoras.

O apresentador sentiu que a fama havia chegado quando foi convidado para sentar no sofá mais famoso do Brasil: o de Hebe Camargo. Para participar da atração, Ratinho foi até o centro de Curitiba comprar um terno novo e uma gravata com o rosto dos Três Patetas. E foi desse modo que ele mostrou o seu jeito de ser para um público diferente do seu, abrindo as portas para outros programas.

Sua participação no programa Hebe foi um sucesso e muitos programas convidaram Ratinho para se apresentar: Domingo Legal, A Praça é Nossa, Garganta e Torcicolo, game show da MTV apresentado por João Gordo, o Programa Pânico, que apenas era veiculado pela Rádio Jovem Pan, entre outros. Depois dessas participações, seu programa, que atingia três pontos na audiência, começou a conquistar entre seis e oito pontos.

Não foram apenas os convites para participar de programas que apareceram: as emissoras passaram a solicitar Ratinho para assinar possíveis contratos. A primeira rede a convidá-lo foi a Bandeirantes, que tinha interesse em produzir um programa do mesmo estilo daquele da CNT/Gazeta. Depois, a Rede Manchete foi além, desejando o apresentador aos domingos em um programa de auditório. Carlos Massa também esteve nos planos do SBT: Silvio Santos o queria à frente do Aqui Agora. Ratinho analisou as propostas e decidiu esperar.

Eduardo Lafon, então diretor artístico da Rede Record, viu em Ratinho a possibilidade de colocar no ar um novo programa, em outros moldes em pleno horário nobre. O apresentador aceitou a proposta e foi para a Record apresentar o Ratinho Livre, denominado na época como "um tribunal de pequenas causas".

Foi na Record que Ratinho se tornou um grande apresentador popular, mostrando seu talento não apenas como um repórter policial, e sim como um apresentador de auditório, mantendo, até hoje, o seu público com grande audiência.

Veja alguns momentos do Ratinho no 190 Urgente:

Ratinho destrói um computador ao falar do assassinato do índio pataxó, Galdino Jesus, crime cometido por jovens em 1997:



Ao pegar um funcionário ouvindo rádio durante o programa, Ratinho "confisca" o aparelho e o "testa":



Ao comentar o escândalo da Encol, empresa de construção civil envolvida em caixa dois e sonegação de impostos, o apresentador "abandona" o programa:

Leia também: Relembre as emoções da última semana de Elas Por Elas; novela chegou ao fim há 35 anos

Leia também: 27 de novembro na história da TV: em 2012, estreava Luciana by Night




commentDeixe sua opinião
menu