"Desmanche" do SBT Brasil é mais uma amostra do desprezo de Silvio Santos pelo jornalismo



É de se preocupar a movimentação em torno do SBT Brasil. Informações que circulam na imprensa dão conta da inquietude de Silvio Santos com relação ao conteúdo do telejornal, hoje estabilizado na faixa das 19h45 e pontuando muito bem, estando constantemente à frente da Record, principal concorrente no horário. O "patrão" quer um telejornal todo centrado no factual, o chamado "hard news", derrubando pautas mais frias, o que implicou até mesmo na extinção da previsão do tempo - hoje, destaque no Jornal Nacional, noticiário de maior audiência do país.



A orientação de Silvio é positiva em termos: matérias sobre cachorrinhos, emojis e outras bobagens do tipo loteavam o jornal. Agora, espera-se, serão extirpadas do espelho do noticiário. Por outro lado, a ordem do "homem do Baú" motivou a saída de Kennedy Alencar. Com o cancelamento da série Cenários 2018, onde entrevistava possíveis presidenciáveis, Kennedy achou melhor reiterar um pedido de demissão feito em abril, conforme relatou em entrevista ao site Na Telinha nesta segunda-feira (9). O colunista de esportes Bruno Vicari e a responsável pela meteorologia Carolina Aguaidas serão aproveitados nas reportagens.

A novidade é que Joseval Peixoto, da bancada, também deixa o SBT Brasil e a emissora em dezembro, com o término de seu contrato. Um procedimento normal. O revezamento de Joseval e Carlos Nascimento causava estranhamento e soava desnecessário. Enfim, esta impressão se dissipará. Contudo, há de se lamentar a saída de profissionais como Kennedy e Joseval. Principalmente se pararmos para pensar em quem fica...

Não foram poucos os valores que deixaram a redação de jornalismo do canal nos últimos anos. De Ana Paula Padrão, que reativou o setor em 2005, até Rodolpho Gamberini, além das recentes dispensas de Patrícia Rocha, Joyce Ribeiro e, especialmente, Hermano Henning (com mais de 20 anos de casa). Embora, neste tempo, o SBT tenha visto nascer inúmeros talentos em suas afiliadas - como Neila Medeiros (Brasília), Isabele Benito (Rio de Janeiro) e Eduardo Scola (Paraná) - o jornalismo de rede foi entregue a nomes como Dudu Camargo.

Dudu é jornalista de registro - e, constantemente, minimiza a importância de um diploma -, figura peculiar que despontou num quadro de fofocas de uma rede nanica, gracejou com um saco na cabeça no desnecessário Fofocalizando e estreou à frente do matutino Primeiro Impacto num dia das crianças, naquilo que mais parecia ser uma pegadinha de mau gosto do "homem do Baú". Lá está desde então, dividindo o horário com Marcão do Povo, dispensado pela Record após uma polêmica alcunha atribuída por ele à cantora Ludmilla - e aqui, cabe questionar: se a saída de Joseval atende a um corte de gastos, já que o SBT Brasil não necessita de dois apresentadores, por que cargas d'água o Primeiro Impacto seguirá com seu comando dividido?

O que preocupa é ver Silvio Santos "dar de ombros" a este "sucateamento" da redação de jornalismo. Já se cogita a possibilidade do SBT Notícias, destaque das madrugadas do canal - que, praticamente fixado na liderança, levou a Globo a alocar reprises do Globo Repórter na madrugada - deixar de ser "ao vivo". E apostando em edições pré-gravadas, como as do extinto Jornal do SBT, sobrarão apresentadores e profissionais de bastidores. Relegados a papeis quase nulos, estes poderão seguir o caminho de Kennedy e Joseval. Quem será o próximo a esvaziar as gavetas: a competente Karyn Bravo, o talentoso Marcelo Torres, a agradável Analice Nicolau ou os promissores Cassius Zeilmann, Darlisson Dutra e João Fernandes?

Sabemos como as coisas podem caminhar... É como ver uma matéria requentada: a gente já sabe o off que encerrará o VT. Silvio Santos também desgostou do Aqui Agora, TJ Brasil, SBT Manhã, Notícias da Manhã, SBT Repórter, Jornal do SBT. Desejo melhor sorte ao SBT Brasil.


Deixe sua opinião



Leia também

Novelas

Por onde anda Cecília Dassi, a Sandrinha de Por Amor

A garotinha Sandrinha conquistou o Brasil na primeira exibição de Por Amor, exibida entre 1997 e 1998 pela Rede Globo. Cecília Dassi, tinha apenas sete anos quando interpretou a personagem. Depois disso, ainda atuou em diversos papeis na Rede Globo, mas abandou a carreira na televisão