Relembre a trajetória do Casa da Angélica; programa marcou estreia da apresentadora no SBT



"Brinca criança, brinca meninada!". Com esta indicação aos pequenos, Angélica apresentou sua casa ao público que a acompanhava na Manchete e ao que conquistou no SBT. Há exatos 24 anos, a loirinha estreava o Casa da Angélica, programa infantil que a lançou na emissora de Silvio Santos, após mais de 5 anos no canal de Adolpho Bloch. Da implantação ao término, em maio de 1996, muitas curiosidades marcaram a trajetória da atração. Confira!



O ingresso de Angélica no SBT se deu em abril de 1993, em meio a boatos acerca de um salário dez vezes maior do que o pago pela Manchete e celebrado com uma matéria de Madgalena Bonfiglioli no lendário Aqui Agora. Começou então a preparação para o lançamento do 'Casa', a princípio programado para a faixa matutina e depois alocado nas tardes. A previsão era de que o programa entrasse no ar em 2 de agosto, mesmo dia em que Eliana estreava o seu Bom Dia & Cia.

Mas, problemas com o formato sugerido pelo diretor Rogério Gallo (egresso da MTV), acabaram por causar o adiamento da atração. Toda a equipe contratada para o projeto foi demitida; o diretor Marcelo Zambelli e os redatores Dagomir Marquezi e Wilson Rocha, que acompanhavam Angélica no Clube da Criança e no Milk Shake, de sua antiga casa, foram convocados para repaginar o conteúdo inicialmente proposto.



Devido a estreia protelada, o SBT, que havia encerrado as reprises de Carrossel e Rosa Selvagem para colocar o Casa da Angélica no lugar, recorreu à exibição da Sessão Desenho com Vovó Mafalda (Valentino Guzzo) para tapar o buraco das tardes. Dentre as animações exibidas no 'Casa', Pica-Pau, Dennis - O Pimentinha, Ducktales, Tom & Jerry, Os Jetsons e o "coringa" Chaves.

Angélica aproveitou a estreia na nova emissora para promover sua marca. Lançou a sua famosa pinta, um tecido adesivo no formato da marca que ostenta na coxa esquerda. Também reformulou seu repertório: o álbum 'Meu Jeito de Ser' contava com composições de Fausto Fawcett, Fernanda Abreu e Paula Toller. A música de trabalho, 'Flecha de Amor', composta por Evandro Mesquita e Vinícius Cantuária, marcou sua estreia na parada de clipes de MTV Brasil.



Em 1994, com a saída de Mara Maravilha do SBT, o 'Casa' reduziu o tempo dedicado aos pré-adolescentes, ampliando seus investimentos no público infantil. Contudo, as paródias que Angélica fazia de personalidades como do multimídia Jô Soares e da culinarista Ofélia Anunciato, foram mantidas. A loira também reverenciou as novelas mexicanas com Tempestade de Lágrimas, da qual participava Otaviano Costa, hoje apresentador do Vídeo Show.



Ainda neste ano, o departamento de teledramaturgia, comandado por Nilton Travesso, cogitou dar à Angélica um papel em Éramos Seis, principal aposta do SBT no setor, após anos sem lançar uma produção própria. A ideia era preparar a moça para uma personagem maior, em Mariana - A Menina de Ouro, uma série de Flávio de Souza (autor de Mundo da Lua, da Cultura), que acabou não saindo do papel.

O que vingou, de fato, foram dois novos programas, que aproximavam Angélica outra vez do público adolescente: Passa ou Repassa e TV Animal. E assim seu primeiro programa no canal de Silvio Santos foi ficando de lado. Remanejada para as manhãs, a atração perdeu audiência. E acabou extinta em 11 de maio de 1996, último dia da moça no SBT. Nesta altura, ela já havia assinado com a Globo, frustrando os planos do "patrão" de lança-la aos domingos, com uma produção para toda a família.

Leia também: Em 1979, Globo suspendeu novela de Manoel Carlos baseada em O Tempo e o Vento, com Elizabeth Savala

Leia também: Relembre a minissérie Memórias de um Gigolô e outras 7 produções ambientadas na década de 20




commentDeixe sua opinião
menu