A historia do câmera que processou Fausto Silva



No ultimo domingo, durante o arquivo confidencial com Ícaro Silva, Faustão afirmou que "favela e comunidade é tudo a mesma porcaria" ao criticar a glamorização da favela.



Essa não foi a primeira vez que Faustão criou polêmica com alguma frase ou brincadeira. Sem papas na língua, o apresentador global não mede suas palavras e solta tudo o que vem à mente.

Uma de suas características é brincar com a produção e câmeras do seu programa. Desde os tempos do Perdidos na Noite, exibido pela Rede Bandeirantes na década de 1980, Fausto Silva chamava sua antiga produtora, Lucimara Parisi, de "a produtora da santa ceia", referindo-se a sua idade. E assim seguia sua atração, fazendo um humor autodepreciativo e falando mal de si mesmo e do próprio programa.

Em sua ida para a Globo nada mudou, o apresentador continuou com seu estilo do Perdidos, sempre brincando com a produção e os câmeras. Um deles, Renato Laranjeira, entrava na brincadeira e todo domingo se fantasiava, servindo de escada para as piadas do Faustão. Os outros câmeras também ganharam apelidos, como Tartaruga Ninja, Nelson Au Au, Felipe tarado da ponte Rio-Niterói, Sassá Mutema entre outros.

Em meio a tantas piadas, um membro da equipe ficou famoso: Ivalino Raimundo da Silva, o câmera gaúcho. Calado e sisudo, era o alvo preferido do Faustão na hora das piadas. Com cara de poucos amigos, ficava parado e seguia seu trabalho, ignorando as brincadeiras do apresentador.



Chamado de "corno"," tarado do asfalto", "gaúcho do armário", "mais antigo câmera da América Latina", "galã de velório", entre outros, Ivalino virou um personagem do programa. Na hora do quadro As gatinhas do Faustão, também ouvia as piadas e uma trilha sonora que ia de Maysa a Agostinho dos Santos.



Em 1995, o câmera finalmente perdeu a paciência e processou a Rede Globo e Fausto Silva, pedindo uma indenização de um milhão de reais por dano moral e material. Na época, o câmera afirmou não reclamar por temer represálias.

A Globo recorreu alegando que não houve desrespeito aos direitos individuais do câmera e que ele teria autorizado o uso de sua imagem. Em 2003, o STF manteve a condenação à emissora e ao Faustão.

Mesmo com esse processo, o apresentador continuou com seu humor, fazendo piadas e brincadeiras com sua equipe. Há anos, Faustão continua no ar, liderando a audiência e ganhando cada vez mais destaque nas redes sociais, negativos e positivos, com suas piadas e comentários.

E o antigo câmera gaúcho não foi mais visto, conquistando assim o anonimato, o que ele tanto queria nos 20 anos que trabalhou na Globo.

Leia também: Ainda quero ver Xuxa acertando em cheio em um programa com a cara dela na Record

Leia também: 24 de julho na história da TV: em 1995, estreava Cara & Coroa




commentDeixe sua opinião
menu