Com filme de Kéfera, Telecine lidera audiência na TV por assinatura



Na televisão, há um ditado que diz que "qualidade nem sempre significa audiência". Mais uma vez, este carma foi provado com o público de estreia do filme É Fada, protagonizado pela youtuber Kéfera, que estreou no último dia 22 de abril no Telecine Premium.



Segundo dados de audiência divulgados pela assessoria de imprensa do canal, o longa metragem, que também tem a atriz Klara Castanho no elenco, levou a emissora para o primeiro lugar no Ibope na TV paga entre os canais de filmes.

Além disso, na faixa de exibição da película, entre 22h e 23h45, o Telecine Premium ficou em segundo lugar geral entre as emissoras pagas, perdendo apenas para o infantil Discovery Kids, campeão disparado no Ibope da plataforma.

O que chama a atenção é o índice bruto do Telecine no filme: foram 1,7 ponto, um dado considerável para a TV por assinatura, que normalmente é atingido por grandes blockbusters lançados na Rede Telecine.

O feito é mais significativo contando que o Telecine é o canal a la carte - ou seja, vendido fora do pacote normal de TV paga, o que mostra que o poderoso fã-clube de Kéfera consegue angariar feitos para ela em todas as mídias.

Além disso, o filme foi considerado por vários e renomados críticos de cinema do Brasil o pior filme do ano de 2016, incluindo aí longas metragens de fora do País. O roteiro e a atuação da própria Kéfera foram os maiores alvos das resenhas negativas.

É Fada é baseado no livro Uma Fada Veio me Visitar, escrito por Thalita Rebouças. Foi dirigido por Cris d'Amato, com produção feita por Daniel Filho, com roteiro de Patrícia Andrade, Fernando Ceylão e Sylvio Gonçalves.

Custou cerca de R$ 3 milhões, um orçamento alto para filmes nacionais, conseguindo um bom faturamento de quase R$ 17 milhões. O longa conta a história da fada Geraldine (Kéfera) que perdeu suas asas por utilizar métodos pouco convencionais em suas missões. Sua última chance para recuperá-las será a missão Julia (Klara Castanho).

Julia foi criada somente pelo pai, com muito amor e poucos recursos. Depois de anos, a mãe retorna e passa a questionar a educação da filha. Eis que surge a fada para ajudá-la a vencer os preconceitos e estabelecer novas amizades. Mas Geraldine continua atrapalhada e Julia logo descobrirá que nem todas as fadas são iguais.

Os dados são consolidados e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores nas 15 principais metrópoles do Brasil que tem sua audiência medida pelo Ibope.







commentDeixe sua opinião
menu