Malhação: Viva a Diferença estreia destacando sinergia entre protagonistas



Uma nova temporada de Malhação deu o ar de sua graça na segunda-feira (8). Desta vez, o responsável pela nova história é Cao Hamburger, roteirista reconhecido por grandes obras do segmento infanto-juvenil, como Castelo Rá-Tim-Bum, Pedro e Bianca e Que Monstro Te Mordeu - todas da TV Cultura - e que também foi criador do conceito do Disney Club, que fez grande sucesso no SBT com seu inesquecível CRUJ (Comitê Revolucionário Ultra-Jovem).

A junção da experiência do autor, da direção da equipe de Paulo Silvestrini e da boa sintonia entre as atrizes do eixo principal proporcionou um capítulo de estreia emocionante, empolgante e bem diferente do que se viu na história da novela juvenil.



O capítulo apresentou as protagonistas por meio de um flashback, retratando as diferentes características de cada garota: Keyla (Gabriela Medvedovski) é uma jovem descolada, órfã de mãe, que vive com o pai, o ex-cantor Roney (Lúcio Mauro Filho) e engravidou após uma noite com um desconhecido. Benê (Daphne Bozaski) é tímida e deseja muito ter amigos.

Ellen (Heslaine Vieira) mora na periferia e conhece muito de informática e tecnologia. Tina (Ana Hikari), descendente de japoneses, é bastante sarcástica, fã de rap e cultura japonesa. E Lica (Manoela Aliperti), rebelde e filha de família de classe média-alta, se vê às voltas com a separação dos pais, Marta (Malu Galli) e Edgar (Marcello Antony).

O encontro das garotas se deu durante um defeito no metrô de São Paulo, em meio à falta de energia e de sinal. As cinco estão sozinhas no vagão até que a bolsa de Keyla estoura. Benê corre para pedir ajuda, enquanto Tina e Ellen conseguem instruções para fazer o parto (a primeira telefona para a mãe, enquanto a segunda invade a rede do metrô). A muito custo, o bebê nasce, sem conseguir chorar. Até que, com a ajuda da equipe dos bombeiros, a criança consegue respirar, enquanto a luz volta. O parto comove a todos.

A aposta no encontro das cinco amigas foi um acerto do roteiro de Cao Hamburger e sua equipe. A apresentação de cada garota primou pela naturalidade, fugindo do didatismo e destacando as diferentes personalidades. Foco principal do capítulo, o parto de Keyla emocionou e trouxe a adrenalina exigida pela situação, devidamente bem dosada com as limitações do horário. Ainda foi acertada a abordagem da gravidez adolescente de forma responsável, longe da visão romantizada e engraçadinha das duas últimas temporadas anteriores.

Também merece destaque a boa sinergia entre o quinteto de amigas. Gabriela Medvedovski, Daphne Bozaski, Manoela Aliperti, Heslaine Vieira e Ana Hikari mostraram naturalidade e souberam complementar as diferentes particularidades de cada jovem ao conjunto das sequências. Lúcio Mauro Filho, que vive Roney (pai de Keyla), é outro acerto do elenco, assim como a talentosa Malu Galli. Em menor aparição, Carol Macedo e Talita Younan já mostraram a que vieram como as vilazinhas K1 (Katarine) e K2 (Katiane), respectivamente.

Duas grandes diferenças devem ser mencionadas em relação ao histórico de Malhação: Viva a Diferença é ambientada em São Paulo, ao contrário das últimas temporadas, baseadas no Rio de Janeiro. A escolha da capital paulista, segundo o autor, se deve por ser um ambiente propício para abordar a diversidade, uma vez que é uma metrópole repleta de culturas. A outra é a mudança de foco: em vez de desenhar a história de um casal, com mocinhos apaixonados, optou-se pelo encontro de cinco garotas cujas personalidades irão se completar e se complementar.

Viva a Diferença fez uma bela estreia e mostrou que Malhação tem um bom caminho pela frente. É claro que sempre se deve tomar cuidado com a avaliação de uma estreia. Ainda assim, o capítulo foi agradável, mesclando emoção e adrenalina, além de seguir um estilo totalmente diferente do que se viu nas estreias de temporadas anteriores da novela juvenil.




commentDeixe sua opinião
menu