Na contramão da tendência, SBT e Cultura aumentam tempo de programação infantil na década



Alegando restrições na publicidade infantil, falta de retorno de audiência e grande crescimento da TV paga no segmento, as emissoras de TV aberta deixaram de lado a exibição de desenhos animados e atrações infantis nesta década.



Levantamento feito pelo TV História comparando as programações de abril de 2010 e 2017 das emissoras nacionais mostra que o número total de horas infantis nas seis principais redes do País (Cultura, SBT, Globo, Record, RedeTV! e Band) diminuiu em 19,4% em sete anos.

Na comparação, apenas uma coisa não mudou: Cultura e SBT são os campeões de investimento para as crianças. Em 2010, a TV da Fundação Padre Anchieta tinha 75 horas semanais. Neste ano, aumentou 5,7% e chegou a 79 horas e 30 minutos.

Já a rede de Silvio Santos foi a que mais aumentou o seu tempo de programação infantil na década. Subiu de 43 horas e 30 minutos semanais para 53 horas e 5 minutos, uma subida considerável de 22,5%.

O que mais ajudou no aumento do SBT foi o filão descoberto para novelas infantis. Hoje, são duas no ar: Carinha de Anjo e Chiquititas, que são os programas infantis de maior Ibope na TV - marcam entre 10 e 11 pontos na Grande São Paulo.

A TV Cultura também investe, à sua maneira. Aumentou o tempo horário de desenhos, adquirindo animações ao rodo e fazendo coproduções nacionais. Na semana passada, o canal comprou da Nickelodeon, uma das maiores produtoras do mundo, os desenhos Jimmy Neutron e Ginger.

Já as outras emissoras extinguiram ou derrubaram bastante sua grade infantil. A Globo, a maior delas, tinha 13 horas semanais em 2010 dedicadas às crianças, com o diário TV Globinho. Hoje, não tem nenhum programa exclusivo para as crianças.

O mesmo caso é o da RedeTV!. Em 2010, o canal dedicava 11 horas e 50 minutos para infantis, com a exibição de grandes sucessos como Pokémon e Digimon. Hoje, também, não tem nenhuma atração infantil.

A Record diminuiu o tempo drasticamente. Em 2010, tinha 14 horas e 30 minutos semanais. Hoje, tem apenas 4 horas e 15 minutos, o que representa uma queda de 70,9% na programação. Atualmente, a Record exibe apenas o desenho Pica-Pau.

Já a Band diminuiu o tempo de 18 horas em 2010 para 6 horas e 15 minutos em 2017, redução de 65,8%. O curioso neste caso é que a grande maioria das horas dedicadas às crianças hoje são em horários tapa-buracos - madrugadas e manhãs de sábado e domingo, faixa em que certamente a maioria delas está no último sono.

Vale ressaltar que, na TV paga, os dois canais mais vistos são infantis. Cartoon Network e Discovery Kids disputam palmo a palmo a liderança geral. Além disso, o Gloob e a Nickelodeon estão na lista dos 10 mais vistos da TV por assinatura, o que ressalta que o público infantil não deixou de ver desenho na TV, ele só mudou de jeito.







commentDeixe sua opinião
menu