Fofocalizando vai bem e já tem mais Ibope do que Casos de Família em São Paulo



No ar desde 23 de janeiro deste ano, o Fofocalizando parece estar tendo um mês de consolidação em abril, mesmo com o sinal do SBT não estando disponível nas TVs por assinatura por conta da guerra entre Simba e operadoras.

Segundo levantamento feito pelo TV História, o programa apesentado por Décio Pichinini, Leão Lobo, Mara Maravilha, Mamma Bruschetta e Léo Dias está invicto na vice-liderança na Grande São Paulo neste mês, com média de 4,9 pontos de Ibope.



Neste mesmo horário, a Record tem marcado média de 4,6 pontos com a novela Ribeirão do Tempo, em sua primeira reprise. Se conseguir manter o ritmo, serão os primeiros 30 dias em que a atração do SBT conseguirá o segundo lugar.

O desempenho neste mês é animador. Em oito edições, conseguiu vencer a Record em todas, e ainda obteve um bom feito: na média do mês, consegue ter mais números que o seu sucessor, o Casos de Família, apresentado por Christina Rocha.

Do dia 3 até o dia 12, o Casos tem 4,8 pontos de Ibope e teve menos audiência que o Fofocalizando em quatro edições - foram oito apresentadas neste período.

No dia 4, o Fofocalizando obteve 4,7 ante 3,7 do Casos. A outra vitória ocorreu no dia 6, com 5,1 a 4,7 para a atração de fofocas e notícias. No dia 7, pela primeira vez, o Fofocalizando conseguiu ter mais índices que o Casos por dois dias seguidos: 5,6 a 5,2 na ocasião.

No dia 10, foi a terceira vez que o Fofocalizando marcou mais: 4,7 a 4,6. O recorde do programa em abril foi no dia 7, quando marcou 5,6.

No Rio de Janeiro, a média do Fofocalizando sempre foi muito bem, principalmente por conta da presença de Léo Dias, popular na cidade. São 6,6 pontos de audiência, vencendo a Record, que normalmente marca 6,1. No mês de março, a atração teve média de 6,8 pontos e vice-liderança assegurada.

Os números bons estão aliviando a produção do programa, que teve que conviver com uma alta pressão e com muitas críticas por parte da imprensa por conta do conteúdo e do Ibope.

Agora, o programa parece consolidado e as ameaças de retirada da grade e de mudança de horário não fazem mais parte do dia a dia. A ideia é crescer cada vez mais.

"O telespectador não é bobo, ele sabe diferenciar"

Quem comemora bastante os números é o colunista Léo Dias. Dono das principais notícias exclusivas do programa, ele responde as críticas ao conteúdo e diz ao TV História que o telespectador está sabendo diferenciar o que é exclusivo e o que não é.



"Engana-se quem pensa que o telespectador é burro. Ele sabe muito bem diferenciar o que é exclusivo e o que não é. Nós apuramos o que falamos no ar, não requentamos notícia. Claro que quando a notícia é importante, falamos e damos a fonte, mas a nossa prioridade é o exclusivo".

Léo revela um segredo: por várias vezes, prefere dar a notícia em primeira mão no SBT do que em seu blog no site do jornal O Dia, onde fez sua popularidade no Rio: "Algumas vezes, combino com a produção de noticiar o fato no programa e depois colocar no meu blog. Foi assim com a história de assédio do José Mayer, por exemplo".

Léo Dias também elogia a boa sacada de Silvio Santos de misturar fofocas com notícias: "A ideia do Silvio foi genial. Falar só de fofocas o tempo todo fica chato. Colocar notícia, discutir os temas, foi algo de mestre mesmo. E os resultados estão aí, para todo mundo ver. Eu entro três ou quatro vezes para falar as notícias de celebridades, só para você ter uma noção".

Falando em celebridades, Léo novamente ressalta as exclusivas, e, sem citar nomes, critica outros programas: "Não vou citar nomes aqui, é claro. Mas tem programas que só fica no Instagram da pessoa. 'Olha o que estava no Instagram do Thiaguinho, ele saiu com a Fernanda Souza', essas coisas. A gente tem notícia exclusiva. E o telespectador não é bobo, ele sabe diferenciar quem tem conteúdo e quem não tem", conclui.







commentDeixe sua opinião
menu