Maiores audiências do canal, animes Naruto e Bleach deixam emissora de TV paga


Dois dos últimos hits da animação japonesa que eram exibidos já há algum tempo pela PlayTV, canal de TV por assinatura com entrada nas principais operadoras, Naruto e Bleach não serão mais mostrados pelo canal.



Em comunicado divulgado em sua página oficial no Facebook, a emissora jovem argumenta que enquanto negociava novas temporadas do desenho, que estavam em reprises há algum tempo, a licença para exibição acabou.

"Estamos em negociações por novos episódios!!! Mas aconteceu que nosso prazo de exibição de Bleach e Naruto Shippuden se encerrou, isso antes que conseguíssemos novas temporadas, então, como algumas pessoas já notaram, esses dois animes estão saindo da nossa programação", argumenta o canal.

No entanto, ainda há chance de volta para a programação. A PlayTV negocia, há pelo menis três meses, com a Viz Media - que distribui os dois animes - para a renovação do vínculo e aquisição de novos capítulos dos dois desenhos.

"Agora é esperar e torcer para que as negociações deem certo e eles voltem a passar com novos episódios", completa o canal no comunicado.



Outro anime exibido pela casa, o também hit Yu-Gi-Oh! continuará na grade. As reprises estão sendo exibidas normalmente e o canal anunciou que novidades virão em breve para o público deste desenho.

Os animes são as maiores audiências da PlayTV atualmente. Apostando no nicho desde 2015, o canal viu seus números crescerem nas faixas de exibição em até 45%.

O problema é que negociar a compra de uma animação japonesa é bastante complicado. A própria PlayTV, em comunicados, já afirmou que adquirir um novo ou comprar novos episódios é extremamente difícil por diversos fatores.

Atualmente, o anime está em baixa na TV brasileira. Nenhuma rede grande exibe uma animação japonesa, ao contrário de tempos de outrora. O maior destaque na TV aberta é a exibição de Dragon Ball Z e Os Cavaleiros do Zodíaco, ambos na nanica Rede Brasil.

Leia também: Cartoon Network comemora liderança da TV por assinatura brasileira nos últimos dois anos


Deixe sua opinião


Leia também