16 de dezembro na história da TV: em 2001, a grande final da primeira Casa dos Artistas


Confira os destaques do dia 16 de dezembro na história da televisão brasileira:

No dia 16 de dezembro de 1967, às 21h, terminava a novela A Rainha Louca (Globo).

Mais um dramalhão de Glória Magadan; desta vez, inspirado em Memórias de um Médico, de Alexandre Dumas - após Boni abortar a intenção da autora de retratar o reinado de Maria Antonieta (1755-1793). Foi o primeiro trabalho de Daniel Filho como diretor de novelas; também a estreia na Globo de Ida Gomes, Paulo Gracindo e Zilka Salaberry. Nathalia Timberg interpretava a rainha louca do título.



No dia 16 de dezembro de 1967, às 21h30, terminava a novela Anastácia, a Mulher Sem Destino (Globo).

Escrita inicialmente pelo ator Emiliano Queiróz, a obra foi assumida por Janete Clair, que utilizou um terremoto para se livrar de dezenas de personagens e reformular a trama, que não vinha fazendo sucesso. No elenco, Leila Diniz - que, após o terremoto e uma passagem de tempo de 20 anos, passa a viver Anastácia e sua filha -, Henrique Martins, Cláudio Cavalcanti, Ênio Santos, Miriam Pires e Neuza Amaral.



No dia 16 de dezembro de 1972, terminava a novela O Leopardo (Record).

A trama foi escrita por Ivani Ribeiro, sob o pseudônimo de Arthur Amorim, com o auxílio de seu esposo, Dárcio Ferreira. Na época, a autora era contratada da Tupi, onde escrevia Camomila e Bem-Me-Quer. No elenco, Altair Lima, Jonas Mello, Laura Cardoso, Lia de Aguiar, Maria Estela e Rodolfo Mayer, entre outros. O enredo era centrado na figura de Vitor de Almeida, um homem que dominava todos a sua volta.



No dia 16 de dezembro de 1978, terminava o jornalístico Jornalismo Eletrônico (Globo).

Produzido, a princípio, em preto-e-branco, este telejornal local de cinco minutos de duração resumia as principais notícias do dia. Belo Horizonte, Brasília, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo eram os estados que produziam o Jornalismo Eletrônico.

No dia 16 de dezembro de 1989, terminava a série Capitães da Areia (Band).

Adaptação do livro de Jorge Amado, a obra trazia no elenco nomes como Geraldo Del Rey, Miriam Pires e Tamara Taxman. Seus personagens - Padre José Pedro, Ester e Dalva - estavam entre os protetores dos meninos de rua que dividiam espaço no cais do porto de Salvador. Pedro Bala (Leandro de Souza) era o líder dos garotos; já André Gonçalves fazia sua estreia como o preguiçoso Boa-Vida, integrante do grupo.



No dia 16 de dezembro de 1991, estreava a reapresentação de Fera Radical (1988) em Vale a Pena Ver de Novo (Globo).

Clássico do horário das 18h, Fera Radical, de Walther Negrão, teve seus 203 capítulos reeditados em 105. A trama se desenrola a partir da chegada de Cláudia (Malu Mader) na pacata Rio Novo. A moça empreende uma vingança contra os Flores, que julga culpados pela morte de seus pais e irmãos - a responsável pela chacina é Joana (Yara Amaral), matriarca do clã. Cláudia, contudo, refuta em razão do relacionamento amoroso com Fernando (José Mayer), o herdeiro de Joana e Altino (Paulo Goulart).



No dia 16 de dezembro de 1994, terminava a minissérie Incidente em Antares (Globo).

As disputas políticas que assolam a cidade de Antares, no sul do Brasil, cessam com a morte de Quitéria Campolargo (Fernanda Montenegro), ferrenha opositora de Tibério Vacariano (Paulo Goulart). A matriarca, contudo, volta à vida para reivindicar seu enterro: ela e mais seis defuntos - vividos por Diogo Vilela, Elias Gleizer, Gianfrancesco Guarnieri, Marília Pêra, Paulo Betti e Ruy Rezende - ficam à espera do sepultamento, em razão de uma greve geral de funcionários, incluindo os coveiros. Adaptação de Charles Peixoto e Nelson Nadotti para a obra de Érico Veríssimo.



No dia 16 de dezembro de 1997, terminava a minissérie Guerra de Canudos (Globo).

Transposição para a TV do filme de Sérgio Rezende, inaugurando um formato que se tornaria constante nos anos seguintes - com produções como Chico Xavier (2011), Xingu (2012) e Gonzaga, de Pai para Filho (2013). A produção reconstituía o confronto do Exército Brasileiro conta o movimento popular liderado pelo religioso Antônio Conselheiro (José Wilker). No elenco, Cláudia Abreu, Marieta Severo e Selton Mello.



No dia 16 de dezembro de 2001, terminava a primeira edição do reality show Casa dos Artistas (SBT).

Um dos maiores fenômenos da história da TV brasileira, o programa apresentado por Silvio Santos confinou em uma casa famosos como Alexandre Frota, Supla e Bárbara Paz, a grande vencedora. O audacioso projeto, que se viu envolvido em processos de plágio - o Big Brother Brasil, adquirido pela Globo, era a fonte de inspiração -, detém a maior audiência já atingida pelo SBT: 47 pontos, com 55 de pico.



No dia 16 de dezembro de 2002, estreava o jornalístico Direitos Humanos (Record).

Atração diária, exibida nos fins de tarde da Record, Direitos Humanos era uma espécie de extensão do Cidade Alerta (1996): num cenário que remetia a um tribunal, os apresentadores Ricardo Caprioti e Simone Nitoli revisitavam casos policiais exibidos no 'Cidade' e debatiam a repercussão destes nos tempos atuais. Espaço também para denúncias, feita por um "repórter sem rosto", e o noticiário "ao vivo".

No dia 16 de dezembro de 2010, terminava a série Afinal, o que Querem as Mulheres? (Globo).

Projeto de Luiz Fernando Carvalho, que partia da tese de doutorado de André Newman (Michel Melamed), interessado em responder a questão freudiana que dá título à série. Em suas buscas por esclarecimentos, André se afasta da namorada, Lívia (Paolla Oliveira), busca o colo da supermãe Celeste (Vera Fischer) e se depara com tipos femininos díspares - interpretados por nomes como Bruna Linzmeyer, Eliane Giardini, Letícia Isnard e Maria Fernanda Cândido.



No dia 16 de dezembro de 2010, terminava a série Clandestinos - O Sonho Começou (Globo).

João Falcão baseou-se na seleção de elenco para um espetáculo teatral de sua autoria, que reuniu, em maio de 2008, centenas de jovens de diversos estados brasileiros com um ponto em comum: todos nascidos na década de 1980. O grande mérito de 'Clandestinos' residiu no lançamento de nomes como Alejandro Claveaux, Chandelly Braz, Luana Martau e as gêmeas Giselle e Michelle Batista.



No dia 16 de dezembro de 2011, terminava a série Macho Man (Globo).

Era o final da segunda e última temporada desta produção escrita pelo casal Alexandre Machado e Fernanda Young. Em cena, o cabelereiro gay Nelson (Jorge Fernando), que volta a se interessar por mulheres após tomar uma sapatada na cabeça. Valéria (Marisa Orth), colega de trabalho e ex-namorada, acompanha as confusões de Nelson. Ainda, Helô (Ingrid Guimarães), sócia do salão de beleza, interessada em seduzir o protagonista, nesta segunda temporada.



No dia 16 de dezembro de 2012, terminava a primeira temporada do reality show The Voice Brasil (Globo).

Então exibido nas tardes de domingo, o The Voice Brasil contava com Carlinhos Brown, Lulu Santos, Daniel (substituído em 2015 por Michel Teló) e Cláudia Leitte (substituída este ano por Ivete Sangalo). Nesta primeira final, totalmente feminina, competiram Maria Christina (time 'Lulu'), Liah Soares (time 'Daniel'), Ju Moraes (time 'Cláudia') e Ellen Oléria, vencedora com 39% dos votos (time 'Brown').



No dia 16 de dezembro de 2014, terminava a série Sexo e as Negas (Globo).

De autoria de Miguel Falabella, a série mostrava a rotina de quatro amigas na periferia do Rio de Janeiro, sempre amparadas pela líder comunitária e radialista Jesuína (Cláudia Jimenez). Lia (Lilian Valeska), recepcionista de uma churrascaria, ainda sofre com as recaídas por Alaor (Marcos Breda), chefe do tráfico; Soraia (Maria Bia) é cozinheira de um casal do Leblon que não resiste ao patrão; Tilde (Corina Sabbas) luta para encontrar emprego; já Zulma (Karin Hills) é a camareira de ideais livres que o pai, Areno (Cosme dos Santos), deseja ver casada o quanto antes.



Leia também