30 de março na história da TV: em 1998, estreava Era Uma Vez...


Confira os destaques do dia 30 de março na história da televisão brasileira:

No dia 30 de março de 1965, terminava a novela Teresa (Tupi).

Esta novela, escrita por Walter George Durst a partir de um original mexicano, trazia a história de uma mulher ambiciosa, Teresa (Géorgia Gomide, premiada com o Troféu Imprensa de melhor atriz daquele ano; agredida nas ruas por conta do mau-caratismo de sua personagem). No elenco, Walmor Chagas e Luís Gustavo. O SBT exibiu, recentemente, uma versão mexicana da trama, com Angelique Boyer.



No dia 30 de março de 1966, estreava o programa Eliana e Booker Pittman (Globo).

Filha e pai, Eliana e Booker Pittman divulgavam o jazz e o rhythm and blues no Brasil, através de apresentações nas quais ela cantava e ele tocava saxofone e clarinete. O programa, veiculado às quartas-feiras, 20h30, foi extinto após um mês de exibição.

No dia 30 de março de 1967, terminava o programa Espetáculos Tonelux (Globo).

No repertório deste programa - conhecido em algumas praças como Viva a Música - o erudito e a MPB. Foi visto nas noites de segunda-feira, quinta-feira e sexta-feira, em anos diferentes; também contou com reprises nas tardes de sábado. Passaram pelo 'Tonelux' nomes como Clementina de Jesus e Jorge Ben Jor, além de João Roberto Kelly, que fazia, ao piano, uma crônica musical do Rio de Janeiro.



No dia 30 de março de 1968, terminava a novela Os Rebeldes (Tupi).

Walther Negrão colaborou com Geraldo Vietri nesta produção, que narrava os conflitos existentes dentro de uma sala de aula, mobilizando professores, alunos e familiares. Uma das primeiras tentativas de "abrasileirar" a telenovela, Os Rebeldes teve seu final apressado por conta de mudanças na grade do canal. Nomes como Ana Rosa, Dennis Carvalho, Elias Gleizer, Laura Cardoso e Tony Ramos participaram.



No dia 30 de março de 1969, terminava a primeira versão do jornalístico Jornal da Globo (Globo).

Nesta primeira versão, o 'JG' ocupava o horário que viria a ser ocupado, no mesmo ano, pelo Jornal Nacional. Na ocasião, Hilton Gomes e Luiz Jatobá comandavam o noticiário - reeditado em 1979 e em 1982, na versão no ar até hoje.

No dia 30 de março de 1973, terminava o programa Papo Firme (Globo).

Atração de cinco minutos, veiculada antes da novela das 19h, de segunda-feira a sexta-feira. Nelson Motta, então vencedor do primeiro Festival Internacional da Canção (1966), apresentava as principais novidades da música no Brasil e no exterior. Nas férias de Nelson, o DJ Big Boy o substituía. O título, que remete aos bordões da Jovem Guarda, era embalado por 'Domingo no Parque', canção de Gilberto Gil.

No dia 30 de março de 1979, terminava o jornalístico Amanhã (Globo).

Exibido diariamente às 22h40, Amanhã flertava com o jornalismo de hoje em dia, trazendo notícias de uma maneira informal, um "quase diálogo" entre os apresentadores Carlos Campbell e Márcia Mendes - substituídos, posteriormente, por Sérgio Chapelin e Leda Nagle. Lucas Mendes e Sandra Passarinho, dos Estados Unidos e da Inglaterra, participavam ativamente do noticiário.

No dia 30 de março de 1981, estreava o programa Globo Revista (Globo).

Formato que conciliava reportagens culturais, análises de política internacional (com o lendário Paulo Francis) e entrevistas ao vivo, conduzidas por Ênnio Pesce, com perguntas de comentaristas e do público. Exibido todas as segundas-feiras, o 'Revista' privilegiava o noticiário do dia: na estreia, por exemplo, o atentado a Ronald Reagan, então presidente dos Estados Unidos, tomou espaço de um quadro sobre cinema.



No dia 30 de março de 1987, estreava a novela Corpo Santo (Manchete).

José Wilker, capitaneando o núcleo de teledramaturgia da Manchete, levou para o canal estrelas como Christiane Torloni, Reginaldo Faria e Lídia Brondi. Premiada com o APCA de melhor novela, Corpo Santo retratou o submundo do crime no Rio de Janeiro, do envolvimento de Téo (Reginaldo Faria) com a produção de filmes eróticos até organizações criminosas lideradas por nomes como Grego (Sérgio Viotti).



No dia 30 de março de 1987, estreava o humorístico Agildo no País das Maravilhas (Band).

Por meio da interação com fantoches, Agildo Ribeiro satirizava a cena política, nas vésperas para a primeira eleição direta para presidente após anos de regime militar. Entre os representados pelos bonecos estavam José Sarney e Paulo Maluf; até Xuxa Meneghel, que ventilou sua candidatura, virou alvo de deboche. Também Tancredo Neves, falecido em 1985, surgindo sempre como um anjo no céu.



No dia 30 de março de 1990, terminava a novela Tieta (Globo).

Um grande sucesso do horário das 20h, Tieta trouxe Betty Faria em excelente forma, como a protagonista - extraída do romance homônimo de Jorge Amado, adaptado por Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares. Desempenhos brilhantes de todo o elenco; em especial, Arlete Salles (Carmosina), Ary Fontoura (Coronel Tapitanga), Joana Fomm (Perpétua), José Mayer (Osnar) e Yoná Magalhães (Tonha).



No dia 30 de março de 1991, terminava o programa esportivo É Hora de Esporte (Cultura).

No dia 30 de março de 1998, estreava a novela Era Uma Vez... (Globo).

Fugindo de um ex-marido violento, Madalena (Drica Moraes) se abriga na pacata Nova Esperança, onde vai trabalhar como babá dos netos do tirano Xistus (Cláudio Marzo). Ela acaba por amolecer o coração do velhote, mas fica balançada mesmo é por Álvaro (Herson Capri), pai das crianças, filho do bonachão Pepe (Elias Gleizer). Ainda, a vilã Bruna (Andréa Beltrão), noiva de Álvaro, doida para se livrar dos pequenos.



No dia 30 de março de 1999, estreava a novela Louca Paixão (Record TV).

Coprodução JPO Produções - Record TV, escrita por Yves Dumont com base no original de Alberto Migré - adaptado pela Excelsior, em 2-5499 Ocupado (1963), primeira telenovela diária da TV brasileira. Maurício Mattar e Karina Barum viviam André e Letícia, casal que se apaixona após uma ligação telefônica cruzada. Destaque para Geórgia Gomide, Glauce Graieb, Ingra Liberato, Maria Alves e Suzy Rêgo.



No dia 30 de março de 2010, terminava o reality show Big Brother Brasil 10 (Globo).

Uma das edições de maior repercussão, trouxe a vitória de Marcelo Dourado, participante que faturou R$ 1,5 milhão em sua segunda participação no programa (ele já havia passado pela "casa mais vigiada do país" na quarta temporada). Durante toda a competição, Dourado contou com um ferrenho opositor: o homossexual Dicesar, íntegro e batalhador.



No dia 30 de março de 2012, terminava o programa Manhã Gazeta (Gazeta).

Revista eletrônica matinal que, num primeiro momento, reviveu os primórdios do Mulheres, com Claudete Troiano e Ione Borges dividindo a apresentação. A segunda, porém, se afastou da atração para se dedicar à família, sendo substituída por Olga Bongiovanni. Ainda, quadros de culinária com Allan Vila Espejo e Vivianne Romanelli e interações com as jornalistas Anna Paola Fragni e Luciana Camargo.



No dia 30 de março de 2012, estreava o humorístico Casseta & Planeta Vai Fundo (Globo).

A turma do 'Casseta' migrava para as noites de sexta-feira, após o Globo Repórter, retomando a máxima que norteou os primeiros anos do 'Urgente': "humorismo-verdade, jornalismo-mentira". Além da trupe - sem Bussunda, falecido em 2006 -, o programa contou com os comediantes Gustavo Mendes, responsável por satirizar a então presidente Dilma Rousseff, e Miá Mello e a ex-BBB Maria Melilo.



No dia 30 de março de 2014, terminava o humorístico Divertics (Globo).

Este programa, do núcleo de Jorge Fernando, trazia diversas esquetes de humor sobre temas do dia-a-dia. Apesar do bom elenco - Luiz Fernando Guimarães, Maria Clara Gueiros e Leandro Hassum - e do esmero da produção, Divertics não passou da primeira temporada. A cada quadro, bailarinos, contorcionistas e contrarregras se encarregavam da troca de cenários, embalados por um DJ e uma banca de rock.



Leia também