20 de março na história da TV: em 2007, terminava Bicho do Mato


Confira os destaques do dia 20 de março na história da televisão brasileira:

No dia 20 de março de 1965, terminava a novela Ilha dos Sonhos Perdidos (Excelsior).

Folhetim exibido às 22h - posteriormente, 21h -, centrado na disputa de pai e filho pela mesma mulher. A Excelsior intitulava as tramas desta faixa como "novelas noturnas"; A Ilha dos Sonhos Perdidos foi a quarta tentativa, infrutífera, de emplacar o horário, após É Proibido Amar (1964), Melodia Fatal (1964) e Eu Quero Você (1965). Em contrapartida, a faixa das 19h explodia com A Moça que Veio de Longe (1964).

No dia 20 de março de 1967, estreava a novela Meu Filho, Minha Vida (Tupi).

Walter George Durst se baseou em O Lorde Negro, de Emile de Richebourg, para conceber esta trama, centrada no sequestro de uma criança, entregue a uma milionária para que o irmão desta pudesse se apossar da herança do cunhado. No elenco, Aracy Balabanian e a pioneira Vida Alves. Também Anamaria Dias, Maria Célia Camargo, Marisa Sanches, Patrícia Mayo, Percy Aires e Ruy Rezende.

No dia 20 de março de 1969, estreava o programa Viva a Revista! (Globo).

O comediante Agildo Ribeiro e a cantora Marlene dividiam os holofotes nesta atração que procurava reviver o teatro de revista. Para tal, o Viva a Revista! apostou num grupo de 114 profissionais, entre vedetes e humoristas - do naipe de Brandão Filho e Lúcio Mauro - além do ator e diretor Milton Gonçalves. Veiculado às quintas-feiras, 20h30, o programa teve vida curta: saiu do ar no mês seguinte.

No dia 20 de março de 1981, estreava o programa Show do Mês (Globo).

A partir de uma minuciosa pesquisa do Centro de Documentação da TV Globo (CEDOC), o Show do Mês reverenciava personalidades e fatos importantes no Brasil e no mundo. Para tal, dramatizações, esquetes humorísticas e musicais, sempre com a participação de convidados. Exibido mensalmente na faixa Sexta Super, com apresentação de Edwin Luisi, Luiz Carlos Miele, Sandra Bréa e Zezé Motta.



No dia 20 de março de 1983, estreava o programa Vídeo Show (Globo).

Clássico da TV brasileira, que busca revelar os bastidores das produções da casa e celebrar sua história. Foi lançado aos domingos, com apresentação de Tássia Camargo. Em 1986, passou para os sábados. Miguel Falabella e André Marques foram os apresentadores com mais tempo de 'VS', hoje com Otaviano Costa e Sophia Abrahão. Destaque para os quadros Falha Nossa e Vídeo Game, com Angélica.



No dia 20 de março de 1983, estreava o programa Batalha dos Astros (Globo).

Contando com atores, cantores, diretores de cinema, comediantes e jogadores de futebol, Batalha dos Astros propunha uma divertida disputa entre dois grupos de quatro artistas, numa espécie de "jogo da velha" - na estreia, o elenco de Final Feliz (1982) e Sol de Verão (1982), novelas em exibição às 19h e 20h. Luiz Carlos Miele apresentava; Oswaldo Loureiro, famoso como ator, respondia pela direção.



No dia 20 de março de 1987, terminava a novela Roda de Fogo (Globo).

Lauro César Muniz e Marcílio Moraes respondiam pelo roteiro desta trama, considerada uma das melhores da década em questão. Tarcísio Meira estava à frente do elenco, como Renato Vilar, homem com pretensões políticas, envolvido em negócios escusos. Diante da morte eminente, em decorrência de um sério problema de saúde, ele revê seus conceitos e se entrega à paixão por Lúcia (Bruna Lombardi).



No dia 20 de março de 1987, terminava a novela Tudo ou Nada (Manchete).

A trama, dirigida por Herval Rossano, foi lançada às 19h40, abrindo um novo horário de teledramaturgia no canal e promovendo o lançamento do autor José Antônio de Souza. A narrativa partia do desaparecimento de César (Edwin Luisi), durante a lua-de-mel com Guadalupe (Elizângela), suburbana que o empresário havia disputado com o próprio pai, Ambrósio (Othon Bastos), casado com Ema (Vanda Lacerda).



No dia 20 de março de 1998, terminava o jornalístico Manchete Verdade (Manchete).

Marco da reestruturação pela qual a emissora passou em 1996 - ano de Xica da Silva, às 21h30. Marcos Hummel e Celso Russomano passaram pela apresentação; como colunistas, Carlos Chagas (política), Dora Bria (esportes) e Tamara Leftel (economia). A internet, ainda embrionária, era utilizada durante o programa. Ocupava a faixa do Jornal da Manchete 2ª Edição, que retornou ao ar após sua extinção.



No dia 20 de março de 2000, estreava a reapresentação de Tropicaliente (1994) em Vale a Pena Ver de Novo (Globo).

Exibida com relativo sucesso às 18h, seis anos antes, Tropicaliente regressou prometendo esquentar as tardes. Não rolou. A audiência do 'Vale a Pena' fugiu da trama de Walther Negrão - prejudicada pelo fraco desempenho do Mais Você (1999), que antecedia a faixa de reprises. Uma das novelas mais castigadas pela edição: 194 capítulos reduzidos para 79, de aproximadamente 40 minutos.



No dia 20 de março de 2007, terminava a novela Bicho do Mato (Record TV).

Reedição do folhetim de Chico de Assis e Renato Corrêa e Castro, exibido pela Globo em 1972, que marcou a estreia de Bosco Brasil e Cristianne Fridman como titulares. A trama, em reexibição nas tardes do canal, era protagonizada por André Bankoff como o pantaneiro Juba, que deixa sua terra para lutar pelos negócios do pai recém-falecido, ameaçados pela ambição de seu padrasto, Ramalho (Jonas Bloch).



No dia 20 de março de 2015, terminava a novela Vitória (Record TV).

O paraplégico Artur (Bruno Ferrari) empreende uma vingança contra o próprio pai, Gregório (Antônio Grassi), que o rejeitou por conta de sua condição. Para tal, engravida Diana (Thaís Melchior), que julga ser sua meia-irmã. A novela de Cristianne Fridman também acompanhava o núcleo neonazista liderado por Priscila (Juliana Silveira). Ainda, a analfabeta Anastácia (Roberta Gualda em excelente desempenho).



Leia também